Depois de substituir a GFIP para contribuições previdenciárias, o Grupo 1 do eSocial – empresas que faturaram acima de R$ 78 milhões em 2016 – deve agora fazer uma nova substituição do documento, desta vez para recolher o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

O GFIP é uma guia de recolhimento do Fundo de Garantia que comprova todas as remunerações recebidas pelo prestador de serviço. Esse documento, assim como outras 14 obrigações acessórias, será substituído com a chegada do eSocial.

Desse modo, ao invés do GFIP, as empresas passarão a utilizar um novo documento, a GRFGTS (Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

Substituição da GFIP pela GRFGTS

O GRFGTS terá um modelo único, tanto para recolhimento mensal quanto rescisório.  Esse é um importante diferencial, porque no sistema GFIP era necessário usar duas guias, sendo uma para recolhimento mensal ou regular (GRF) e outra para recolhimento rescisório (GRRF).

Essa mudança pode agilizar o trabalho dos profissionais na hora de fazer os cálculos, os valores devidos e as demais informações necessárias relacionadas ao recolhimento do FGTS.

A ideia de reduzir a quantidade de obrigações acessórias é uma das propostas do eSocial, que foi criado para facilitar o preenchimento e envio dos dados por parte das empresas e aumentar a fiscalização por parte dos órgãos do governo.

Além de adotar a nova plataforma, é importante que as empresas não descartem as guias recolhidas no passado ao migrarem para o eSocial. Isso porque, em caso de retificações, restituições ou complementações, será necessário fazer uma consulta no GFIP para rever as informações contidas nas guias que foram emitidas em meses ou anos anteriores à criação da plataforma eSocial.

Dúvidas sobre GFIP e soluções fiscais? Procure uma consultoria!

Para que você entenda esse processo de transição da GFIP e tenha acesso a soluções fiscais que ajudem a sua empresa a fazer as entregas do eSocial no prazo e sem transtornos, procure a consultoria da Compliance Fiscal.

Além de contar com profissionais altamente capacitados, a empresa desenvolveu uma plataforma com tecnologia 100% web, inteligência fiscal nativa e integrada ao ERP Oracle JD Edwards. A solução auxilia nas atividades relacionadas à automação de processos, cumprimento das mais diferentes obrigações fiscais e mensageria.

A solução fiscal da Compliance se encarrega de realizar as atualizações legislativas, a segurança de dados, a automatização dos documentos fiscais e a integração dos processos com os mais diversos sistemas de gestão, entre eles Oracle EBS (certificação OVI), Oracle JD Edwards, Oracle PeopleSoft, SAP, Microsoft Dynamics, INFOR, TOTVS e sistemas legados.

Para conhecer melhor a solução oferecida pela empresa, deixe sua mensagem nos comentários ou clique aqui para entrar em contato conosco.

Please follow and like us:
error

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu